AMORES VAGOS

Sinopse:

Você já viu estilingue que atira livros? Prepare-se para ver.
Nos anos 1980, no Rio de Janeiro, um grupo se formou numa oficina literária e persistiu no ofício de escrever. Cristina Zarur, Miriam Mambrini, Marilena Moraes, Nilma Lacerda, Vânia Osório, Sônia Peçanha e Alexandre Brandão comemoram esse encontro com o livro AMORES VAGOS, o primeiro do selo ESTILINGUES.
Depois deA palavra em construção, coletânea de contos de 1992, os autores se dedicaram a projetos individuais, garantindo boas críticas e alguns prêmios.
AMORES VAGOS volta a reunir os amigos e traz quatorze textos, apresentados por Luiz Rufatto; os contos falam do amor, da maneira que cada autor imprimiu à sua escrita.
A originalidade está na distribuição:o livro, oferecido como presente, desconcertante e inesperado, é um convite a festejar com os autores; na última FLIP, as principais pousadas de Paraty receberam exemplares para brindar os hóspedes, numa acolhida simpática aos que visitaram a cidade durante a festa literária.
A ideia é que o livro circule, que cada leitor passe adiante seu exemplar, promovendo a leitura, nos moldes dos movimentos Fureur deLire, na França, e o bookcrossing, sucesso na Espanha, onde os livros são deixados em um lugar público para que outras pessoas deles desfrutem.
Os autores de AMORES VAGOS têm distribuído a edição em eventos literários de todo o Brasil, universidades e, naturalmente, oficinas de criação de textos já que, afinal, assim tudo começou.
A introdução dessa filosofia – o livro que chega de surpresa, um presente – em grupos sociais, escolas e bibliotecas, pode trazer um novo valor, com reflexos duradouros a médio e longo prazo – a formação de leitores.
Os autores desejam, sim, que AMORES VAGOS percorra muitos caminhos, na conquis-ta de leitores, no incentivo à literatura. Eles contam com você, que agora já sabe: o mundo dos livros pode estar no banco do metrô, do ônibus, nos lugares mais inusitados.